«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
terça-feira, novembro 30, 2004,5:55 da tarde
Que pasa, tío?
O espanto que me invadiu levou-me a pôr o título em espanhol. Bem sei que não pus o costumeiro e corriqueiro ponto de interrogação invertido ao início, mas isso foi um acto da mais pura inércia que me tem invadido nestes últimos dias.
Estranho. Talvez seja doença. Todos andamos estranhos. O Relógio até já comenta política. Qualquer dia começa a ver futebol. I. e., o Benfica começa a jogar futebol.
Querelas à parte, o ataque de estupidez que invadiu o Relógio só é mesmo comparável ao de inércia que me acometeu.
Talvez seja de estudar semântica. Talvez seja por não gozar com nenhum cromo do IST há mais de uma semana. Talvez seja mesmo pela caricata situação política que atravessamos.
Na Ucrância, todos querem governar, em Portugal, ninguém.
Proponho pois, que o líderes da Ucrânia se entendam e que venha um para cá.
Pelo menos uma considerável parcela dos emigrantes ficaria feliz.
E eu também. Talvez houvesse políticos a sério.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 2 comments
,3:13 da tarde
Cada um pior que o outro. Ou não?
1. Pois é, vivemos num país à beira da total estupidez-suicídio político, ou talvez vivamos num país em que simplesmente nada se passa, sendo assim possível ter de se inventar tamanhas enorm-alarvidades só para fazer manchetes. É engraçado ler o jornal ou mesmo falar com taxistas. Nessas duas situações, algo habituais nos meus dias, apercebo-me de determinadas coisas que de outra forma me passariam ao lado. A verdade é que, mesmo que o PSL seja, como creio, um inapto para assumir responsabilidades da dimensão daquelas que pretende estar a assumir, os restantes políticos não me parecem capazes de fazer seja o que for para segurar o selvagem e indomável alazão nacional.

2. Veja-se o bom exemplo do pertinente Henrique Chaves, o homem que, por amor aos seus concidadãos, teve receio de atirar o dvd do Benfica pela janela (não fosse acertar na cabeça de algum). É verdade que a sua demissão veio agudizar e pôr a nú a premência de eleições antecipadas ou mesmo de exílio para a Ucrânia de toda a incubadora (com tubos e tudo), mas parece que o homem também não dá uma para a caixa. Como me disse um taxista cujo nome não vou revelar por não saber, o homem é um otário porque, na mini-remodelação do governo (ou jogo da cadeira) aceitou, por razões de «índole patriótica», o cargo de ministro do desporto, juventude, etc. quando queria continuar a ser ministro adjunto e agora, quatro dias depois, demite-se dizendo que não queria ser ministro do desporto, juventude etc. mas sim adjunto, atacando PSL em vez de se ter demitido logo. Por aquilo que li, é mais ou menos esta a real situação, por isso subscrevo o eloquente ás do volante. E digo mais: só uma atitude de pura parvoíce para fazer tremer um grupo de autênticos parvos.

3. Como diz o nosso sapiente (quase tanto como o amigo taxista) Mário Soares, «A implosão vem do interior». Com ele concordo plenamente. Agora, o saudoso prof. Cavaco, no seu badalado artigo no Expresso, diz uma coisa que me parece por demais impossível: «Cabe às elites profissionais contribuir para que os políticos competentes afastem os incompetentes» (foi mais ou menos isto). E é ao saudoso prof. - ou a alguém que o queira secundar - que deixo A Questão: Onde estão os políticos competentes?
 
posted by Irnerio
Permalink ¤ 1 comments
segunda-feira, novembro 29, 2004,6:51 da tarde
Fim de Semana
Embora o título deste post me faça remeter imediatamente para aquela bela canção dos Ena Pá que alimentou gerações e gerações sem fim, não assim será o relato do meu fim de semana. Nem sei se haverá relato. Só a jeito propagandístico, aqui fica o início da letra: Fim de Semana em Vizela/ Levando o meu cão pela trela/ No feriado municipal/ adoptei um filho anormal...
Mas enfim...
O meu fim de semana não foi assim.
Fui para Grândola (sorriso). Estive com a Raquel (vários sorrisos). Fui a uma conversa com o Zink(sorriso). Vi o Benfica (fodassss).
E consegui chegar com um sorriso numa segunda feira de manhã ao bar da FCSH(espanto!!!!!).
Da conversa com o Zink, num ambiente informal, aprendi algumas coisas que agora irei explorar no segredo das minhas tortuosas buscas interiores. Efectivamente, nunca consegui avançar sem antes ter passado por um processo doloroso. Lembro-me dos atrofios que passei enquanto estava a ler as short stories do Kafka que a Raquel me ofereceu (muitos sorrisos). A certa altura, já andava na rua com a sensação de que tinha duas bolas sempre atrás de mim.
Os meus próximos tempos serão tempos de reclusão académica onde a necessidade premente do estudo mais ou menos consistente da Semântica me levará a conclusões nunca antes imaginadas. Mas não as irei partilhar. Não é um acto egoísta. É uma bondade que vos concedo.
Assim sou.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 0 comments
,6:46 da tarde
Teoria da Conspiração
Confirma-se!
Há, efectivamente, uma teoria da conspiração que rege o país. PSL, como o Relógio a ele se refere, num claro gesto que revela a intimidade de ambos, levantou ao de leve esse véu com as polémicas afirmações já citadas neste blog.
Assim seja. Ao menos alguém com honestidade de assumir o que pensa.
Eu próprio devo confirmar que sinto que há alguém a vigiar as palavras que escrevo, embora esteja sozinho em casa.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 0 comments
,1:55 da manhã
Dei uma arrochada a um bebé e fiquei contente

«Tem sido difícil para quem está na incubadora, ver passar a família e, em vez de acarinhar, haver membros da família que dão uns estalos no bebé», PSL no seu melhor

Infelizmente continuo sem saber o que escrever, por isso abstenho-me. A verdade é que o Pedro, Magnuspetrus ou lá como raio esse estranho símio quer ser chamado, tem razão: HÁ PRESSÃO. E muita! É difícil e é complicado. É quase tão inalcançável como impossível descobrir algo que escrever. Não surgem ideias, não há palavras para descrever o grande espectáculo do mundo. Pelo menos palavras que se aproximem da soberba, brilhante e profícua descrição deste feita, por exemplo, pelos repórteres do 24 Horas, Correio da Manhã, Tal & Qual, O Crime, pelo José Castelo Branco ou mesmo, num registo ligeiramente diferente, para apontar - sem tocar - o extremo do brilhantismo, pela magnífica Agência de Inform...ops... Comunicação (Sim, Jorge, ela existe, mesmo à tua revelia) da nossa magnífica (e oleada!) máquina governativa. E é ao tomar contacto com tão fabulosos exemplos de virtuosismo inventivo-literário que me sinto minúsculo, enxovalhado e carente (será que isto vem ao caso?).

Por isso prefiro ficar no meu canto, deixar a escrita para quem sabe e pode, para os talentosos moraissarmentos deste país que se ergue - finalmente - da escuridão de anos e anos de desgoverno esquisito para desembocar na mais perfeita e obnóxia parvoíce. É bom fazer progressos, é bom sentir que as coisas melhoram - fica aqui o meu sentido agradecimento. Mas eu continuo sem saber o que escrever, e a cadeia de pensamentos, que sem querer se vai vertendo, solidificando e distribuindo no teclado do meu computador, vai teclando e teclando sem rédea. E eu?, e o meu futuro? e a minha reputação? Desculpem mas não posso permitir-me a este tipo de devaneio e por isso, mas só por isso, vou parar (é-me no entanto difícil, pois sinto-me de súbito acometido de umas frenéticas e alegres convulsões. Que será isto? Será que o espírito cavaquista finalmente me possui e anima a prosseguir nesta irreverente, irrelevante e inusitada cruzada? Espero que sim, parece-me bem).
 
posted by Irnerio
Permalink ¤ 1 comments
sexta-feira, novembro 26, 2004,6:01 da tarde
A Dúvida
Escrever num blog, levanta destas coisas...
Após ter lido o post do Relógio ou do Irnerio ou como o quiserem chamar, fui acometido por uma louca vontade de comentar.
Mas será que o deveria fazer? Se me foi concedida a honra de ser um dos coautores deste blog, não deveria entrar por aí. Tenho que publicar. Há pressão. Não sei como, as palavras têm que continuar a sair, se bem que a minha capacidade produtiva seja profundamente profíqua quanto a de uma mula.
E agora plageio, copio e foi evidente aos olhos de todos.
Será que ser chibatado enquanto jogo minesweeper será um justo castigo?
Acho que não conseguir levar de vencida o último nível já é suficiente.
E qual a vossa punição: Lerem isto. Talvez.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 2 comments
,4:29 da tarde
Vicissitudes da escrita inútil
É complicado escrever para um blog. Parece que há uma obrigatoriedade, qualquer coisa que me impele a escrever mesmo que não saiba o quê. Este blog foi criado com o fito de não escrever nada de jeito. E discorrer acerca das vicissitudes da escrita bloguística parece-me completamente inútil: algo que deveria ser mantido na intimidade, dúvidas existenciais a ser resolvidas sem entrar no domínio público. Mas aqui estão elas, partilhadas com o mundo inteiro.
Não saber se hei-de escrever, não saber o que escrever, não saber não escrever, tudo isto me faz sentir infértil como uma mula. E escrever inutilidades destas, bem, só me pode fazer sentir estúpido. E publicá-las à mesma, completa estupidez, denotação de uma grave acefalia. Mas pior que tudo isto é o acto de leitura. Acho que, deste texto, basta ler a primeira linha para desistir e perceber como é inútil prosseguir. Mas tu prossegues, insistes, - Pode ser que ele ainda diga alguma coisa engraçada, pensas. Mas não! Este texto não vale nada, desiste antes que acabe. Se ainda estiveres a ler isto só posso deduzir que ainda és pior que eu. Estás a ser insultado/a e continuas? O caso é pior do que eu pensava.

Para terminar, um pedido de desculpas a quem tiver lido até ao fim. Ainda estás a ler?

 
posted by Irnerio
Permalink ¤ 4 comments
,2:42 da tarde
Memórias vs Imaginação A Grande luta começa
Não aguento.
São agora 14h53 e é um recorde. Ainda hoje o meu corpo não tinha sido alvo de uma estimulação mental que se dá pelo nome de teína e que é, para mim, um simptico substituto da cafeína.
Estou com uma dor de cabeça que me transcende largamente. À medida que vou sentindo o Lapsang Souchong da Twinnings a percorrer o meu sistema digestivo, vou regressando à vida e começo finalmente a tomar consciência do que se passa à minha volta.
Eh pá, não! Estava a tentar escrever um poema.
Não há pachorra! As coisas que um gajo faz antes de satisfazer as mais prementes necessidades do corpo!
Acabo por rasgar o manuscrito e fazer um voto solene de que não voltarei a olhar para lá nos próximos quarenta e sete segundos (Aproximadamente o tempo que ainda falta para acabar de escrever este post).
Mas já estou a recuperar, não se preocupem. A tal grande luta a que fiz referência no título do post só agora vai começar.
Lenta, muito lentamente...
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 0 comments
quinta-feira, novembro 25, 2004,4:54 da tarde
Penso? Penso.
Não me lembrei de título melhor para pôr.
Quando abria o frigorífico e de lá retirava um cereja Griotte da Yoplait, pensei:
Hoje cumpri o meu dever nacional ou nacionalista.
Acordei com o já costumeiro mau humor que me possui sempre que acordo com os pés frios. Olho para o telemóvel na esperança de conseguir ver que horas são. Mas claro que como estou sem óculos, é impensável conseguir ver seja o que for. Resolvo voltar a fechar os olhos.
Tocam à porta. Caos! Esqueci-me! Tenho que ir dar explicação! Do outro lado do vídeo-porteira a Joana já bufava de impaciência.
Com o olhar de tédio normal de quem quer fazer uma qualquer outra coisa, lá entra, disposta em acreditar em quase tudo o que digo. No mais profundo do meu ser sinto-me como o Primeiro Ministro. Todos estão dispostos a acreditar no que digo, desdenhando qualquer gesto, ou assim pensei eu antes de tomar o sagrado cálice de chá onde figura a épica frase do Wilde: ONly dull people are brilliant at breakfast .
À tarde, consegui ir a uma repartição pública e conseguir insultar interiormente todos os funcionários que pareciam não fazer nada. E eram muitos, muitos... Havia os que sorriam, os que telefonavam, limpavam as unhas e os que pura e simplesmente não faziam nada. Acredito que se venham a candidatar a mimos num futuro próximo.
Ou se calhar estavam só a pensar, como o estou a fazer agora.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 0 comments
,2:45 da tarde
Estreia 1.2
Pois é, foi uma escolha difícil e ponderada. Muito influenciada pela orgia-jogo da cadeira protagonizada pelos quadrados que controlam o rectângulo. Mas enfim...
Neste blog escrevem duas pessoas, como se pode constatar. Estas duas pessoas muito dificilmente escreverão alguma coisa aproveitável, sendo unicamente possível prometer desvarios inconsequentes, úteis, contudo, para chegar à Verdade. Debateremos ideias, é certo. Mas num tempo em que não há ideias. Penso. Penso?
 
posted by Irnerio
Permalink ¤ 0 comments
,2:06 da tarde
A Estreia
Um blog. Porque não o Relógio?
Que título pôr?
Porque não pôr título? Ou porque sim? Ou porquê este título?
A mesma questão se levanta e continuará a levantar ao longo de futuros posts. Ou não.
A pressão de ser o primeiro a escrever é imensa.
O Mário Delgado que me vai deliciando a partir da aparelhagem ao meu lado também não ajuda.
Além do mais, está mais ou menos sol. E toda a gente vai ler este post.
E se calahr, eventualmente, comentar.
E reparar que cometi uma gralha ao escrever calahr.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤ 1 comments