«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
quinta-feira, junho 29, 2006,9:44 da manhã
Terror ou discurso do coitadinho miserável
De manhã a sociedade tem a emergente mania de me fazer perguntas difíceis.
Fui pôr a roupa a passar a ferro. Não que eu não saiba, mas porque sou um descomunal preguiçoso que teme passar a ferro durante o verão como o Beckham penalties contra Portugal.
E aí surgem as perguntas:
-Já foi colocado?
Como poderei eu explicar em monossílabos (as manhãs apenas me permitem esse tipo de palavras) que não sou efectivamente professor, mas um estagiário camarário e que não posso sequer concorrer por causa da minha mais ou menos conhecida aversão às psico-pedagógicas e não sei que mais?
Respondi apenas que ainda não sabia de nada. Muito mais fácil e resulta. Tenho apenas que tomar mentalmente nota que àquela senhora não lhe contei a verdade, não vá eu um dia contar-lha.
- As camisas são vincadas?
Sei lá eu o que são camisas vincadas!! Acho que uma camisa que se orgulhe de estar bem passada não deveria ter vinquinho nenhum, ou deveria? Respondi apenas: pois, veja lá isso -demonstrando toda a minha sapiência sobre o assunto.
Isto quem sabe nunca esquece. Especialmente de manhã.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤