«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
sábado, agosto 12, 2006,9:06 da manhã
Pequenas grandes coisas
A fim de poder continuar a minha senda de pecador inato, resolvi oferecer um licor de poejo sem que para isso tivesse dinheiro.
Vantagens de uma terra pequena: mais logo venho cá pagar, senão até sabem onde eu trabalho e podem lá ir pedir contas ao meu patrão, ou patroa, cara Isabel Pires de Lima.
Tendo caído a noite, encobri-me e lá fui pagar a desonrosa dívida. Ao chegar, fui confrontado com um papel que dizia:
O rapaz dos poemas não pagou dois licores de poejo.
Apesar da dívida, saber que já sou o "rapaz dos poemas" alegrou-me a alma e "made my night, oh yes it did"
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤