«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
quinta-feira, novembro 16, 2006,2:22 da tarde
Serviço Público
O serviço Público é daquelas coisas que mais é debatida neste país.
Segue-se um pequeno episódio para análise futura:
Chega um senhor de ar acromalhado à biblioteca. depois de confessar que era um estudioso, perguntou como seria caso tivesse que requisitar um livro, uma vez que era de Santiago do Cacém , que dista daqui um 300 queijos limianos enfileirados e a audição de meio cd dos Ena Pá.
Prontamente acalmei aquele espírito humanista, dizendo-lhe que facilmente se faria um cartão de sócio e que se trataria de tudo sem grandes problemas.
Logo então uma ilustre técnica de biblioteca levanta uma série de questões buroccráticas e aleatoridade de decisão que conseguiram mudar a expressão daquele rosto prosaico.
Logo depreendi que o serviço público não é só boa vontade. Tem que haver sempre qualquer coisa de kafkiano na coisa.
E eu ainda não o tenho, embora tenha lido quase tudo o que há para ler do Kafka e que até foi um escritor que não queria ser lido.
Um pouco como o actual serviço público. Um serviço que não serve para servir*.


* A repetição da palavra "servir" é propositada a fim de criar uma daquelas figuras de estilo que eu nunca soube o nome e que consegui fazer um curso superior sem dificuldades de maior sem nunca as ter sabido.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤