«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
segunda-feira, dezembro 18, 2006,3:11 da tarde
Ecoar em Janeiro
“Toda a gente que escreve crónicas para jornais aprende a aceitar o facto de que muitas vezes o que se entrega é uma merda.”
Depois de uma boa primeira frase é sempre difícil seguir-se uma boa crónica. E sobretudo quando a autoridade da citação é o senhor Miguel Esteves Cardoso. E quem é? O que é feito dele? Ainda está vivo?
Surpreendentemente, sim.
Poderia agora falar de cronistas e da pequena revolução feita pelo MEC nos anos 80, mas não o vou fazer, pois esta é a minha primeira crónica do ano da graça de 2007 e tenho que fazer aquilo que todos fazem e sentem que devem fazer:
Desejar um feliz ano, fazer previsões, anunciar expectativas e o diabo a sete.
Este ano sei apenas que quero ler mais do que no ano passado, quero beber mais cervejas, mais vinhos, quero ouvir mais música, quero viver um pouco mais, se possível, quero tirar outras fotografias, ver novas caras, e quero, ainda, ver se consigo escrever uma crónica em que no final consiga dizer: GOSTEI!
No fundo, quero apenas continuar a cultivar o terrível demónio de Fausto que se apoderou de mim há uns tempos.
Mas, caros e estimados leitores deste ano de 2007, não se preocupem: daqui só para pior.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤