«Cada ratinha tem o seu mistério e desvendar uma não quer dizer que percebemos o mistério total», Puchkine, Diário Secreto
domingo, dezembro 10, 2006,8:05 da tarde
Poetas do Futebol
Desde que Manuel Alegre escreveu aquele belo e emotivo poema sobre Luís Figo, os poetas do futebol têm-se vindo a espalhar, tal como os comentadores da TVI que não hesitaram em proferir um: "Um pouco de transpiração, muito pouca inspiração" para retratar a primeira parte do Naval-SLB.
Bem, das duas uma: ou continuo a ler o artigo da Maria Filomena Mónica sobre Lisboa e pensar porque é que ela não escreveu nada assim semelhante há uns anos, para aí mesmo antes de ter ido para Lisboa estudar, ou analisar semanticamente o poema de Manuel Alegre, tentando imaginar um poema do José Luís Peixoto sobre futebol.

Pelos campos do mundo senha e signo
ele não desiste e nunca repete
e em cada rua é um menino
de camisola número sete.
Pelos campos do mundo seu nome é quem nos diz
ele corre e finta e dribla e com seus pés
pelos campos do mundo escreve o seu destino.
Por isso diz-se Figo e é um país
com ele o sonho é português.
 
posted by magnuspetrus
Permalink ¤